Arte Nostra Damus 2016

A exposição denominada Arte Nostra Damus 2016 reúne um conjunto de vinte e dois artistas plásticos  da contemporaneidade Ibérica. Integrada na décima sexta edição da MOISTAMOSTRA, o Grupo Experimental de Intervenção Cultural, pelo segundo ano consecutivo, leva esta mostra de arte a diversos locais do país.

Biblioteca Municipal João Brandão - Tábua (video)


 
 Tratando-se de uma partilha visual daquilo que é o produto da criação livre de cada artista participante, apresenta-se um conjunto de obras e de linguagens muito diversificadas que se materializam na pintura, desenho, escultura, cerâmica, collage e fotografia. Através da fruição estética, as distintas poéticas apresentadas propõem ao público múltiplas reflexões sobre o mundo contemporâneo. As enunciadas inquietudes encontram na experiência estética uma via para a reflexão e para a liberdade.

22 ARTISTAS REPRESENTADOS

Alberto D'Assumpção; Alexandre Magno; Anabela Calado; Carlos Saramago; Carolina Vouga; Colin Baldwin; Cristina Vouga; Humberto Ribeiro; Luis Dias Ribeiro; Luiz Morgadino; Miguel Carvalho; Mutes; Paulo Medeiros; Pilar Peres Abilleiros; Rik Lina; Ricardo Cardoso; Roberto Martinez Gomez; Seixas Peixoto; Sérgio Amaral; Sérgio Reis; Sílvia Marieta; Vitor Zapa.


 

Alberto D´Assumpção

Nasceu em Lisboa em 1956. Filho do pintor Manuel D´Assumpção. É membro da Royal Society of Arts (RSA), de Londres, dos grupos internacionais “3º Paradigma”, “Artists for Peace” e “Archetypal Expressionism”. Expõe regularmente, individual e colectivamente, desde 1989, dedicando-se em exclusivo à pintura em 1990.

Participação na 4ª Bienal Internacional  de Arte Contemporânea de Firenze, Itália; 1ª Bienal de Arte Contemporânea, Artoque, em Londres; “BIRD 2005 International Art Award”, Pequim – China; 1ª Bienal Internacional de Arte de Chapingo, México.

Recebeu vários prémios e distinções com destaque para o 1º lugar da “3th Arteriscope Artwork Competicion” (2008), Czestochowa - Polónia e 2º prémio no BIRD 2005 International Art Award”, Pequim– China. Artista residente da Kontemporary Art Gallery, Canadá.

Dois Mundos
Óleo s/ tela, 65 x 81 cm


Alexandre Magno

Nasceu em Angola em 1966. Licenciado em Artes Plásticas – Pintura, pela FBAUL (faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa).

Expõe regularmente desde 2006.  Individualmente expôs no Espaço João Abel Manta – Galeria de Exposições, Gouveia(2006); Galeria  Espaço Público, Viseu (2006), “Percepções”, Fundação Sousa Pedro, Lisboa (2007);  “Anacronismos”, Museu Municipal Abel Manta, Gouveia (2010); “Pintura Alexandre Magno”, Museu Terras de Besteiros, Tondela (2011), “Percepcionista”, Galeria Vieira Portuense, Porto (2013-2014); “Percepcionismos”, Galeria do Paço da Cultura da Guarda (2015); “Pintura- Alexandre Magno”, Museu Municipal Abel Manta, Gouveia (2015),“Automatismos do pensamento”, ASMAV, Guimarães (2016). Recentemente, participou colectivamente em “Utopia Azul”, Aljustrel (2014); “Exposição Alexandre Magno e Cristina Vouga”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2014); “Na concha da pentostra”, ASMAV, Guimarães (2014); “Arte Nostra Damus” MoitaMostra 2014, IPDJ Viseu (2014); “Encontro Ibérico de Arte - Castillo de Oropesa”, Espanha (2014); “ARTIS XIII”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2015).  “Arte Nostra Damus” (2015-2016). Em 2001 fez a capa de romance “o Segundo Eu” de Costa Monteiro e, em 2003  Ilustra o livro de Contos “A cor do Silêncio” de Costa Monteiro.

Ganhou o “Prémio Anim’arte Pintura 2012”.


Lixo, 2016

Óleo  e acrílico s/ tela, 81 x 65 cm


 

Anabela Calado

Nasceu em Almada em 1953.

Licenciada em Artes Plásticas – Escultura, pela ESBAL (Escola Superior de Belas Artes de Lisboa), Mestre em Administração e Educação Escolar (Universidade Católica de Viseu).

Recentemente expôs na “I Mostra de Arte contemporânea:  Arte&Política, nos 810 anos do Foral de Canas de Senhorim”,  Canas de Senhorim (2006);  “GEIC – 20 Anos D’Arte” , MoitaMostra 2010, IPDJ de Viseu  (2010); “Arte Nostra Damus”, MoitaMostra  2011, IPDJ Viseu (2011); Arte Nostra Damus”, MoitaMostra  2012, IPDJ Viseu (2012); “Arte Nostra Damus”, MoitaMostra 2013, IPDJ Viseu (2013); “Arte Nostra Damus”, MoitaMostra  2014, IPDJ Viseu(2014); “ARTIS XIII”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2015), “Arte Nostra Damus” (2015-2016); “ARTIS XIV”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2016).

Está representada  publicamente : Marco de homenagem dos Rotary à comunidade de Mangualde (Granito), Mangualde, Marco comemorativo do ISCE (Granito amarelo e acrílico), Mangualde, Estátua O emigrante, (Bronze), Freixiosa Estátua Mangualde, Progresso (Granito e ferro), Mangualde Monumento a Baden-Powell (ferro), Mangualde.

Pineal, 2016
Gesso patinado a grafite e tinta acrílica, 50 x 23 x 18 cm

 


Carlos Saramago

Nasceu em Abrantes em 1972.

Autodidacta, começa a pintar desde muito cedo. Expõe regularmente  desde 1989. Recentemente expôs: "Colectiva pequeno formato”, Galeria Municipal de Arte de Abrantes (2013); “LEIRIAARTES” , Leiria (2013); ”Exposição de Pintura”, Junta Freguesia de Mação (2013);  “Ponte de Lima Emérita Art 2013”, Axis Hotel , Ponte de Lima (2013); “PÓVOA DE VARZIM (VERMAR) – FÉRTIL’ ART2013”, Póvoa do Varzim (2013); “Artshow 2013”, Caldas da Rainha (2013); ”Hábil´Art 2013”, Ofir (2013); “Renduf´Arte” (2013); “Mostra Colectiva de Natal” ASMAV,  Guimarães (2013), “I EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTES E LETRAS DA FEBACLA” (2013); “ARTE AGORA – CLUBE EVOCA ALCOCHETE”, Alcochete (2013); “Arte em Mação”, Mação (2014); “ARTIS XII”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2014); “Na Concha da Pentostra”, ASMAV, Guimarães (2014);  “Arte Nostra Damus”, MoitaMostra 2014, IPDJ Viseu (2014); “Artis XIII”, Casa da Cultura de Seia (2015);   “A Impossibilidade de conter o Surrealismo”,   Galeria do Centro Cultural Elvino Pereira,nMação(2015); “Arte Nostra Damus” (2015-2016); ”Artis XIV”, Casa da Cultura de Seia (2016).


Crazy for food, 2013

Óleo s/ tela, 70 x 65 cm


 

Carolina Vouga

Nasceu em Mangualde no ano 2000.

É aluna do 12º ano do Curso Científico Humanístico Geral de Artes.

Fez o ensino básico do conservatório de Música de Viseu e frequenta o curso livre de violino na classe do professor Joaquim  Castro. É membro da orquestra Poema de Mangualde.

Desenvolve actividades nas áreas do teatro e da dança na AMARTE—Associação pelo Movimento, Arte e Terapia.

Expôs pela primeira vez  na “Exposição final de trabalho - ano 2014-2015”, Biblioteca Municipal Alexandre Alves, Mangualde. Recentemente expôs: Discências”, Instituto Politécnico de Viseu e “Exposição final de trabalhos - ano 2015-2016”, Biblioteca Municipal Alexandre Alves, Mangualde.


Sem Título, 2015

Técnica mista s/ papel

29 x 41,5 cm  


 

Colin Baldwin

Nasceu em Trujillo,  Peru em 1963.

Nacionalizado espanhol trabalha e reside em Vigo desde 1988.

Pintor formado no atelier  de Ángel y Gerardo Chávez López.  Estudou gravura e serigrafía no atelier de Carlos Tataje, Forum, Vigo.

Expõe regularmente em galerías privadas e institucionais. Expôs nas galerias Abel Lepina, Vigo, Dua 2, Paloma Pintos, Sargadelos entre outras. Encontra-se representado na colecção  Caixanova.

 

Exterminador de ideologías

Óleo, metal e plástico s/ madeira, 33 x 69 cm


 

Cristina Vouga

Nasceu em Angola em 1969.

Licenciada em Artes Plásticas – Escultura, pela FBAUL (Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa), Mestre em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Expõe regularmente desde 2009.  Recentemente expôs:  “Exposição Alberto D´Assumpção e Cristina Vouga”; Cello`s, Guimarães (2014); “Exposição Alexandre Magno e Cristina Vouga”,  Casa da Cultura de Seia, Seia (2014); “Na concha da pentostra”, ASMAV, Guimarães (2014); “Artis XII”, Casa da Cultura de Seia, Seia (2014); “Arte em Mação”, Mação (2014); “Arte Nostra Damus”, MoitaMostra 2014, IPDJ Viseu (2014); “Cristina Vouga - Escultura e Desenho”, Museu Municipal de Arte Moderna Abel Manta, Gouveia (2014); “Encontro Ibérico de Arte - Castillo

de Oropesa”, Espanha (2014); “Artis XIII”, Casa da Cultura de Seia (2015); “Cosmogonias” Alberto D´Assumpção e Cristina Vouga, Palácio do Egipto, Oeiras (2015); “Arte Nostra Damus”, (2015-2016); “Escultura e Desenho– Cristina Vouga”, Museu Municipal Terras de Besteiros, Tondela (2016); “Arcoz´Arte”, Arcos de Valdevez, (2016), “Perfídia”, Galeria da Biblioteca Municipal João Brandão,

Sem Título, 2016

Gesso,  56 x 43 x 22 cm


  

Humberto Ribeiro 

Nasceu em 1966 na cidade de Viseu.

Tem o Curso Superior de Design do IADE.

Professor nos últimos 20 anos do grupo das artes do 5º ao 12ºano.

Nas Artes Plásticas integra a primeira exposição colectiva em 1985 e desde então já participou em 9 exposições individuais e 33 exposições colectivas. Em 1994 obtém o 1º Prémio Nacional de Artes Plásticas Mateus Fernandes – Exposição que esteve patente no Mosteiro da Batalha. Está representado em colecções particulares na Suécia, Suíça e em Portugal.

Sócio fundador do GEIC (Grupo Experimental de Intervenção Cultural) – Associação de Artistas, do qual é, actualmente, Presidente. Sócio fundador do Conta Cenas – Associação Cultural de Coruche.

No teatro inicia o seu percurso como actor em 1992 e desde então participou como actor em 10 espectáculos de teatro, encenou 15 peças, assim com fez a luminotecnia, sonoplastia e cenografia em vários espectáculos de teatro.

Foi Director Artístico do 1º Festival de Teatro de Mação em 1999, Director Artístico do 1º Festival de Teatro de Coruche em 2001, Director Artístico da Montra D'Arte, em Sierre  – SUÍÇA em 2009 e  Director Artístico da MOITAMOSTRA – EncontroD’Artes em Meio Rural desde 2003 a 2015.

Na Literatura é autor de “ A VÓS” o livro número dez da colecção “O Homem do Saco”, publicado em 2015.

(A)corda, 2016

Acrílico s/ tela,  100 x 70 cm


 

Luís Dias Ribeiro 

Nasceu  em Mação  em 1955.

Cursou Artes do Fogo na Escola António Arroio, Lisboa.

Sócio fundador da ARTES—Associação cultural do Seixal  e da AAAGP Associação de Amizade Galego portuguesa da Figueira da Foz.

Expõe regularmente, individual e colectivamente, desde 1980. Recentemente expôs no Ébora Café, Évora, na Galleria Mariano Laneiro, Seixal e no Museu da Républica e Resistência, Lisboa.

Encontra-se representado em colecções particulares (Portugal e Estrangeiro), no Clube dos Jornalistas e Casa de Pessoal da RTP (Lisboa), D.G.S.J. Lisboa, Câmara Municipal de Aljezur, Câmara Municipal da Arruda dos Vinhos, Câmara Municipal do Seixal e nos Museus Tavares Proença Júnior (Castelo Branco), Dr. João Calado Rodrigues (Mação) e Diogo Gonçalves (Portimão).

Artista premiado no 1º Salão de Artes plásticas, S. Pedro de Sintra.

Interioridades, 2016

Técnica mista s/ tela, 80 x 60 cm


  

Luiz Morgadinho

Nasceu  em Coimbra   em 1964.

Expõe regularmente desde o início da década de 1990. Participou em todas as ARTIS (2002– 2016). Integrado desde 2009 nas actividades do colectivo poético “Cabo Mondego Section of Portuguese Surrealism” participou na exposição Internacional “surrealism in 2012”, Goggleworks Center for the Arts, Reading—EUA. Integrou também o Grupo Internacional de Surrealistas que ao longo do ano de 2013 e 2014 mostraram as suas obras em várias cidades da República Checa.

Participação nas revistas “Debout Sur L´Oeuf nº 1” - Revista internacional do Surrealismo (Portugal) e no Almanaque do Surrealismo Internacional “Ce que sera—What will be -  o que será” (Holanda).

Foi homenageado na Artis VIII (2008), distinguido com o prémio Município de Oliveira do Hospital no AGIARTE 2010 e distinguido  com a Campânula de Mérito Cultural Municipal - Câmara Municipal de Seia (2016). É o actual presidente da Associação de Arte e Imagem de Seia.

Reflexos, 2016

Acrílico s/ tela, 70 x 50 cm


 

Miguel  de Carvalho

Nasceu  em 1970 no Luxemburgo. 

Livreiro, antiquário, editor e poeta ligado ao movimento internacional surrealista. 

Organizou em 2008  e 2009  três exposições internacionais do surrealismo: Reverso do Olhar (Coimbra), A voz dos espelhos (Amadora) e Iluminações Descontínuas (Lagoa).

Em 2010 edita a primeira  revista-objecto  surrealista portuguesa Debout Sur L’Oeuf nº 1. Colabora nas revistas do movimento A Phala, Supérieur Inconu, Brume Blondes;

Styxus, Hidrolith, Infosurr,  Tortue-liévre,  Cahiers de l’Umbo, etc. É autor dos livros Jardins Nocturnos (Praga 2011), No Princípio não era o verbo (Coimbra 2015), Neste estabelecimento não há lugares sentados (Lisboa 2016) e criador de livro-objecto com tiragens muito reduzidas a únicas.

Sem título,  da Série Do princípio era o verbo, 2014-2015

Collage, 14 x 9 cm


 

Mutes 

Nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986.

Frequentou a escola  até ao  12º ano, onde  depois decidiu  dedicar-se  ao rock n ´roll. Pintor autodidata, iniciou a sua carreira nas artes em 2000. Fez algumas incursões pelo mundo da música e do teatro, foi baixista da Banda

Primitive Noise, e DadaBeat, entre 1995 e 2005, trabalhou no colectivo de teatro experimental A Traça.

Expõe com regularidade desde 2004 em Portugal e no Estrangeiro, em exposições individuais ou colectivas. Está representado em diversas colecções nacionais e estrangeiras em vários continentes. É amante do Cubismo, trabalha a corrente pictórica (DES) Cubismo Contornismo e as suas inúmeras figuras mutantes e imaginárias numa explosão de cores e danças de estranhos movimentos.

Organiza e projecta varias exposições, foi fundador dos colectivos de pintura, M4K1, Um Colectivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo. Mutes pinta o estado de espírito, aquilo que o rodeia, por vezes o momento, a crítica social ou religiosa, tudo aquilo que lhe serve como força interior para projectar na tela.

A história que foi contada, 2016

Técnica mista s/ tela,  60 x 80 cm


 

Paulo Medeiros

Nasceu em Moçambique em 1965

È Licenciado  em Educação Visual e Tecnológica.

Expõe individualmente pela primeira vez em 1988. Desde aí tem participado em inúmeras exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro. Foi seleccionado para várias bienais de renome onde se destacam as edições de 2008 da Bienal Internacional da Marinha Grande e de 2007 e 2015 da Bienal Internacional de Vila Nova de Cerveira.

Forest with fog, 2015

Acrílico s/Tela, 70 x 50 cm


 

Pilar Peres Abilleiros 

Nasceu em Pontevedra em 1955.

Expôs a sua obra em diversas galerías, museus e certames internacionais em Espanha e em Portugal.

Colectivamente expôs: “Bienal Internacional de Vila Nova de Cerveira” (1997 a 2003);  “Novos Valores - Certame de Artes Plásticas de Pontevedra” (1999); “III Certamen de pintura Eixo Atlántico do Noroeste Peninsular” (1999); “V Certamen de pintura bienal Eixo Atlántico do Noroeste Peninsular” (2002-2003); “I Certamen de artes plásticas Conxemar” (2003); “As artes e as letras: empregados públicos” (2011-2012);  “La Ética. Sala de arte Apo´strophe”, Vigo (2014); “El cadáver exquisito. Sala de arte Apo´strohe”, Vigo (2014);  “Exposiçao de arte Colin Baldwin, NeoAmérica 2015”,  Guimarães (2015).

Individualmente expôs: Câmara Municipal de Melgaço (1996), Livraria Lello & Irmão, Porto (1996); Casa da Xuventude, Viana do Castelo, 1997; “El tiempo de las tragedias absurdas”, Fundación Cuña-Casasbellas, Pontevedra (2012); “Los pájaros son mi tiempo”, Sala de arte Apo´strophe, Vigo (2014);  “A illa do Santo”, Casa de Galicia de Madrid, Madrid (2014).   

Publicações: “El tiempo de las tragedias absurdas”   Pilar Pérez Abilleira y Pablo Fidalgo Lareo, Edições Fundación Cuña-Casasbellas; “Fabulario Novo-Hipofanías”, Pontevedra 2012; Conto “El jardín de Epicuro” no projecto solidário colectivo Cuentos par una sonrisa a favor de Álex Guntín, 2013;  “A illa do Santo” Pilar Pérez Abilleira, Edições Cardenoso, Colecção Tintatinta, 2014. 


Nadie,  2013
Técnica mista s/ papel, 51 x 42 x 3 cm


 

RiK Lina

Nasceu  na Holanda em 1942.

Desde 2007 que reside e trabalha da Figueira da Foz.

Expõe em Portugal desde 1973 devido à sua amizade com os companheiros do movimento surrealista Mário Cesarini e Artur Cruzeiro Seixas.

Em 2008 conjuntamente com Miguel de Carvalho  funda “Cabo Mondego Section of Portuguese Surrealism”.

Recentemente  expôs: “Rik Lina - Selvas" Galerias Amadeo Souza-Cardoso, Museu Municipal de Espinho (2011);  "Rik Lina - Branco & Negro", Museu Municipal de Espinho (2012);  "V Exposição de Artes Plásticas do Acervo Municipal”, Amadora (2013);  "Rik Lina -  Submarinas" Museu do Sal, Figueira da Foz (2014); "Rik Lina - Selva Tropical - Canto de Pássaros", Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Pinheiro Cardos, Águeda (2015); “ Texturas da imaginação”, Fundação Cupertino Miranda, Famalicão (2015-2016).

Rain Forest Spirits, 2016

Óleo s/ tela, 70 x 60 cm


 

Ricardo Cardoso

Nasceu em Seia em 1982.

Licenciado em Artes/Desenho pela Escola Superior Artística do Porto - Guimarães.

Curso de Conservação e restauro de madeiras- Arte sacra no CEARTE, Coimbra.

É empresário e conservador restaurador.

Expõe desde 1999, individual e colectivamente, em vários pontos do país. Nos últimos anos, realizou uma série de performances integradas no seu projecto "Fúrias interiores", sobre a condição do artista e reflectindo no estado da arte naactualidade. Menção Honrosa no 7º Concurso Arte Jovem, São Romão, Seia (2002) e no Agirarte, Oliveira do Hospital (2010). Homenageado pelos artistas de Seia no âmbito da Artis IX (2010).

 

Laboratório de Alienação das Mentes Flamejantes, 2016

Técnica mista s/ tela, 60 x 110 cm


  

Roberto Martinez Gomez

Nasceu em  Leon em 1943. 

Colabora fotograficamente em diversas publicações: “ El tiempo de las tragedias absurdas “ de Pilar Pérez y Pablo Fidalgo (2012); “ A illa do Santo “ de Pilar Pérez (2014) ; catálogo da exposição “ A illa do Santo “ de Pilar Pérez  (2014).

Recentemente expôs  individualmente :  “Al caer de la tarde “, Fundación Cuña-Casabellas, Pontevedra (2016) e  “ Lus “, Galeria Quadro, Vigo (2016).

Vaso, da colecção Lus, 2016

Fotografia, 83 x 63 x 5 cm


 

Seixas Peixoto

Nasceu no porto em 1960.

Desenvolveu áreas tão variadas como arquitectura,  design de moda e publicidade, optando definitivamente pela Pintura e Escultura. Foi professor de Desenho e vem fazendo várias incursões na área de Expressão plástica nas Escolas do 1º ciclo de Ensino Básico em Portugal, Açores, Madeira, Brasil e Cabo Verde “Primeiras experiências plásticas”, com o intuito de escrever um documento sobre a arte infantil.  É fundador do grupo Pintores sem Limites e membro do Cabo Mondego Section of Portuguese Surrealism.

A sua obra tem sido exposta frequentemente no país e no estrangeiro.

Conta com 50 exposições individuais, mais de 100 colectivas, algumas esculturaspúblicas, presença em bienais e performances de pintura onde já arrecadou vários prémios. Está representado em diversas colecções particulares e de organismos públicos nacionais e estrangeiros.

Recebeu  o primeiro lugar no Concurso Imagem da Europeade 92 e, o segundo lugar Exa-Aequo no Concurso Nacional de Cooperativas (1993).  Foi vencedor em concursos para cartazes e medalhística. Recebeu no ano 2000 o Troféu Pinheiro do Paraná para a Escultura Comemorativa dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil.

Sem Título, 2016

Técnica mista s / papel, 11 x 14,5  cm


 

Sérgio Amaral

Nasceu em Santa Luzia em 1959.

Iniciou a sua carreira artística em 1978 com dezanove anos após se ter dedicado ao desenho e à pintura. É um experimentalista, investigador, autodidacta desenhista, pintor escultor e

ceramista que, ao longo dos anos emprestou o seu talento ao mercantilismo artesanal.  O seu imaginário artístico é habitado pelas mais estranhas figuras reminiscentes das fantasias de infância, de sonhos magníficos e pesadelos delirantes.

Tem obras espalhadas um pouco por todo o mundo em acervos públicos e colecções privadas: Museu de Arte Popular, Lisboa; Museu do Azulejo, Lisboa; Museu da Olaria, Barcelos; Museu Nacional do Vinho, Anadia; Museu Municipal de Viana do Castelo; Museu de Arte Popolar, Pombal; Museu de Antropologia, Lisboa; Museu Lopes Monteiro, Cavernães; Museu do Presépio, Arles (França); Museu do Apito, Itália.

Mutante, 2013

Raku, 80x 40 x 40 cm


 

Sérgio Reis 

Nasceu em Lisboa em 1958.

Formado pela Escola Superior de Belas Artes do Porto.

Expõe individualmente desde 1987 e participou em diversas exposições colectivas de desenho, pintura, cerâmica e arte postal em Portugal, Espanha, França, Bélgica, Itália, Alemanha, Suíça, Holanda, Japão, EUA, Canadá.

Prémios: 1º Prémio (Pintura) da I Bienal de Artes Plásticas de Penedono (2010) e Prémio de Pintura Município de Oliveira do Hospital na AGIRARTE 12, Oliveira do Hospital, (2009). Distinguido com a Campânula de Mérito Cultural Municipal - Câmara Municipal de Seia, 2008

Flor da vida, 2015

Acrílico s/ tela, 80 x 60 cm


 

Sílvia Marieta

Nasceu em Lisboa, em 1982.

Licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em 2006. Para além da formação académica ainda adquiriu outros conhecimentos em cursos de curta duração: ilustração científica, desenho arqueológico,  artes decorativas, entre outros.

Actualmente dedica-se inteiramente à pintura, quer sejam obras de encomenda, quer seja o resultado dos seus momentos de inspiração. Tem realizado inúmeros retratos, que se encontram em colecções privadas, em Portugal, Canadá, França...

Desde 2010 que se tornou sócia de algumas associações de artistas em Portugal e tem vindo a participar em várias exposições nacionais e internacionais.

Interior, 2014

Óleo s/ tela, 70 x 50 cm


 

Vitor Zapa 

Nasceu em Angola em 1958.

Pintor autodidacta, expõe com regularidade há mais de uma década. O encontro com a pintura começa nos idos anos oitenta enquanto técnico de iluminação nos grandes palcos, com famosos da música nacional, misturando o inconformismo da actualidade com o desejo de viver o passado num turbilhão vertiginoso de luzes e cores, com paixões e medos. Tem assim reinventado narrativas oníricas e levado o seu mundo fantástico, a diversas salas e galerias, de norte a sul de Portugal e também em Espanha. Está representado em diversas colecções espalhadas pelos cinco continentes.

Reflexos anti sociais, 2016

Acrílico s/ tela, 70 x 50 cm 

Print